terça-feira, 29 de novembro de 2011

Certeiro. Como sempre.

Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não está lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.

MEC

domingo, 27 de novembro de 2011

Flashback

Acabei de ser pedida em namoro. Tenho 31 anos. Desde os 15 que eles se deixaram disso. Os pedidos seguiam numa folha de papel no correio de S. Valentim. Este último acompanhou as novas tecnologias e foi-me enviado pelo chat do Facebook. Coisas do antigamente nos tempos modernos...