domingo, 28 de setembro de 2008

"Olá"

O inicio é importante. É fundamental. É quando tudo está em aberto e todas as hipóteses são válidas. Por isso, é essencial que a primeira abordagem seja bem feita, nem demasiado pobre, nem demasiado arrojada. E isto é verdade, quer se trate de um primeiro encontro na bilheteira de um cinema, ou de um contacto fortuito via internet.

É do conhecimento geral que encontar do outro lado do monitor o Clive Owen tem as mesmas probabilidades que ganhar o euromilhões, daí que todas as tentativas de chegar a um cafézinho com alguém que não se conhece, estejam condenadas à partida. E isto é ainda mais verdade quando, por exemplo, abrimos a caixa de mensagens do hi5 e o que lá encontramos são mensagens de estranhos cujo o assunto é "Olá". A este propósito, transcrevo um parágrafo de um livro que me foi oferecido pelo P. e em que a autora aborda precisamente esta questão.

Um playboy famoso avisa que nunca se deve enviar um e-mail em que o assunto diga «Olá». Ele literalmente estremeceu ao dizê-lo, enquanto os dedos faziam o gesto de atingir o botão de delete do teclado. Um tal título coloca-o de imediato de sobreaviso, já que indica que o conteúdo do e-mail será implorativo, e que tentará invariavelmente arrancar dele um encontro ou um título de namorada. *

Compreendo que não seja fácil arranjar um bom título. Mas se a ideia é apelar à curiosidade do destinatário, talvez seja melhor usar a criatividade e escusar-se a olá e desculpa a intromissão, mas por acaso não nos conhecemos de algum lado?. Não, esse não é de todo um bom princípio. O máximo que poderá acontecer é ter uma resposta do género sim, conhecemos-nos na festa de aniversário do joão. A tua namorada estava sentada ao meu lado. O "Olá" equivale a um convite ranhoso para um encontro e a menos que juntamente com o "Olá" venha um Magnum de amêndoas, nada feito!

Tenho a certeza que já todos nós recebemos tais mensagens. E talvez alguns até já as tenham enviado. Para esses, um conselhozinho: Se quiserem convencer alguém, ponham os genes da criatividade a funcionar. Caso não existam, aconselhem-se com alguém que os tenha e... Boa Sorte!

* Guia para Meninas Solteiras, Imogen Lloyd Webber, Ed. Nelson de Matos

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Tom Sawyer

Para quem quer apenas recordar ou porque até calha bem reaprender. Vamos lá! A plenos pulmões!



Vês passar o barco
rumando p’ró o sul
Brincando na proa
gostavas de estar

Voa lá no alto
por cima de ti
um grande falcão
és o rei és feliz

E quando tu
vês o Mississipi
tu saltas pela ponte
e voas com a mente

Nuvens de tormentas
Estão sobre ti
Corre agora corre
e te esconderás
entre aquelas plantas
ou te molharás

E sonharás
que és um pirata
tu... sobre uma fragata
tu... sempre à frente de um bom grupo
de raparigas e rapazes

Tu andas sempre descalço, Tom Sawyer
junto ao rio a passear, Tom Sawyer
mil amigos deixarás, aqui e além
descobrir o mundo, viver aventuras

Um dos meus preferidos!

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Assalto


Hoje uma repartição de finanças foi assaltada por dois homens armados.

Já diz o ditado:

Ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão!

domingo, 14 de setembro de 2008

...


As we grow up, we learn that even the one person that wasn't supposed to ever let us down, probably will. You'll have your heart broken and you'll break others' hearts. You'll fight with your best friend or maybe even fall in love with them, and you'll cry because time is flying by. So take too many pictures, laugh too much, forgive freely, and love like you've never been hurt. Life comes with no guarantees, no time outs, no second chances. you just have to live life to the fullest, tell someone what they mean to you and tell someone off, speak out, dance in the pouring rain, hold someone's hand, comfort a friend, fall asleep watching the sun come up, stay up late, be a flirt, and smile until your face hurts. Don't be afraid to take chances or fall in love and most of all, live in the moment...

Emprestado daqui.


J. Obrigada pela janta!


;)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Avaliação sumativa


Na sequência do post anterior, aqui vai um resumo do que foi a minha avaliação.

Avaliação efectuada em dois momentos: Primeiro tirar medidas, medir alguns índices, conversa sobre alimentação, objectivos, blá blá blá. Resultados:

Altura - 1,57 cm. Roubou-me dois centimetros o sacana!

Peso - 48,5 kg. 1,5 kg adquiridos nas férias. Urgente perdê-los!
IMC - 19??? Este já não me lembro bem.

Massa gorda - 13,8%. Deste resultado gostei!

Condição física geral - 5 em 10. Dado meu historial desportivo e sedentarismo, não está mau...
Alimentação: Classificou-a de má. Eu que até nem bebo refrigerantes em casa, não como maioneses e afins com frequência e batatas fritas só de vez em quando e ele classifica-me como tendo uma má alimentação. Deve ter sido por causa da parte em que eu disse que como alguns chocolates e poucos legumes...

O segundo momento da avaliação física foi só ontem. Entrega de um relatório, conversa sobre alimentação, objectivos, blá blá blá e possibilidade de ter um PT pela módica quantia de 199,00€/ mês. Ora, com esse dinheiro, ao fim de apenas poucos meses, eu já fazia uma viagem bem jeitosa. O Tio Holmes perdeu toda e qualquer noção do razoável... Deve ser da idade. Em seguida, uma visita a várias máquinas com o PT, sempre com as suas indicações Tem que sentir a minha mão, Peito para fora e quando me disse Vamos agora trabalhar os glúteos e eu repondi Boa!, diz-me Eu bem me parecia que ia gostar desta parte. Que raio quer ele dizer com isto??? Que os meus glúteos estão a ceder fortemente à gravidade? Já tiveram melhores dias, mas não é caso para tanto, ok?

Impressões: Continuo a não gostar do ambiente de ginásio. Depois do PT insistir várias vezes que umas idas ao Cardio-fitness são o ideal para mim, tive de lhe dizer claramente: Detesto esforçar o corpinho e não gosto deste ambiente. Ainda assim, ele continuou a insistir, enquanto alternava entre o "tu" e o "você" no tratamento que me dava. Mas comprometi-me a lá ir umas duas vezes por semana, compromisso esse que sei que não vou cumprir. Eu sei, sou a pior!

Quanto aos PT propriamente ditos, tive alguma sorte. Haviam lá uns verdadeiramente assustadores. Este até que era engraçadote, não fosse depilar as pernas!!! É que um atleta de competição eu até posso entender, agora ali? What's the point? Homem que é homem tem pêlo na perna e lamento se o meu lado retrógrado vem ao de cima nesta questão... Pêlos à parte, era simpático. O que não justifica os tais 200€/mês! Ah, e despediu-se de mim com um Beijinhos e até amanhã! Acho que não vai ter sorte. Lá para 5ª Feira penso nisso...

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Saúde ou o culto da vaidade

Os ginásios são o contrário do que deviam ser. Uma inscrição num health club deveria antes de mais fazer jus a isso mesmo: à saúde. Uma mensalidade num local deste tipo vale a promessa de saúde, de bem-estar físico e de um estado emocional equivalente. Ora, isto é o que deveria ser um ginásio, mas não é!

Inscrevi-me numa conhecida cadeia de ginásios em Junho. Não o fiz à espera de milagres de última hora, mas porque surgiu a oportunidade. Todos os funcionários da empresa onde trabalho beneficiam de um apelativo desconto e condições para frequentar a casa do tio Holmes. Embora seja de uma preguiça que até a mim me dá nos nervos, achei que a contribuição mensal a que fico sujeita, seria por si só um incentivo para pôr a musculatura a mexer. E desde a primeira semana que as minhas impressões sobre a fauna e flora deste local se confirmaram.

Todos os ginásio são locais de vaidade. São as vanity fair do mundo moderno e este não é excepção. E começa logo na recepção: há a ideia de que frequentar este local, é por si só, sintomático de um determinado status: classe média-alta, com uma vida profissional bem sucedida e agitadíssima mas que ainda assim não descura a sua imagem e a sua mente. Até aqui nada de muito mau. Assustador mesmo é quando atravessamos a portinhola automática e começamos a esbarrar com seres altamente estranhos. Os balneários são os locais onde se deixam a nu as vergonhas e muito mais que isso. Não sendo púdica, não me agrada particularmente a ideia de exibir uma(s) perspectiva(s) de mim a desconhecidas. A exibição da nudez nestes locais é directamente proporcional a um "vejam como me sinto bem comigo mesma", mesmo quando se tem as maminhas a bater no umbigo...

Mas o que fere mesmo a vista são os estúdios onde decorrem as aulas. Entre homens melhor depilados que eu, com calções mais curtos que os meus, com expressões de sofrimento estranhas (não, eu não preciso saber qual é a careta que fazem quando estão na intimidade do trono), a meninas "à conversa" com os PT, vale tudo pela exibição do porte atlético. Quer se tenha, ou não.

Pergunto eu: Onde está o prazer de praticar desporto pelo desporto? Não sou exemplo, na medida em que não sou dada a grandes proezas desportivas, mas confesso que o microclima "ginásico" me inibe ainda mais de o frequentar. Salvam-se as aulas a que chamam "holísticas", em que este ambiente se atenua fortemente.

Questões ambientais à parte, os senhores que trabalham para o tio Holmes têm um óptimo sentido de humor. Então não é que me cobraram no mês passado mais 30€ do que deviam?A justificação veio apenas quando os questionei sobre o assunto, porque gastar uma chamada telefónica para mim era coisa para dar muito trabalho. Ora que me retiraram esse valor porque "de 5 em 5 meses cobramos 30€ para fazer uma avaliação física". Vamos por partes:

1. Isso está escrito onde? Deve ser nas letrinhas microscópicas do contrato...

2. Onde estava o interesse dos senhores em me fazerem uma avaliação física quando me inscrevi no ginásio? É que nessa altura falei pessoalmente com uma pessoa a quem solicitei essa mesma avaliação. Ficou de me ligar para marcar o dia e... voilá! Nunca ligou!

3. E se me retiraram os 30€ para essa avaliação, por que motivo não me telefonaram a marcar a mesma e tive de ser eu a questioná-los sobre o assunto?

4. E já agora, se eu trouxer umas barras e uns pesos para casa, só porque de 5 em 5 meses tenho esse hábito, será que me deixam?*

Amanhã lá vou eu ser avaliada. Entre medirem-me, pesarem-me e calcularem o meu IMC, nunca na vida me tinha acontecido pagar por uma avaliação física num ginásio. É bom que me consigam calcular o número de gramas que têm de ser redistribuídas uniformemente pelo corpinho e me apresentem uma fórmula ínequívoca para eu ficar, sem esforço e sem me transformar num animal de ginásio, com a forma física da Gisele Bundchen! Que por 30€ não posso exigir menos!

*Ideia gentilmente cedida pelo P.