terça-feira, 25 de março de 2008

Meia em baixo

Primeiro escorregou-me a meia esquerda. Depois a direita. Passeei-me por Lisboa de pernas ao léu com 12 graus!
Depois desta, aguento tudo!

sexta-feira, 21 de março de 2008

Dia Mundial da Poesia

Todas as cartas de amor são ridículas

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas,

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas).


Álvaro de Campos

quinta-feira, 20 de março de 2008

My Heart


My heart my head my mind my soul My feelings over you My tears my touch remember all that I am to you My heart my mind my soul My feelings over you My tears my touch remember all that I am When you're gonna pick up the phone and call me Tell me I can come over I got my ticket and my bags are packed My coat is hangin' over my shoulder Time is passing and it's getting late This heart of mine just can't wait And after all that we've been through I maybe get there and I'll give it to you baby My heart my head my mind my soul My feelings over you My tears my touch remember all that I am to you My heart my mind my soul My feelings over you My tears my touch remember all that I am Standing by the window and lookin' out My heart is turning I want to shout You're complicated I don't want to complain The way you're acting can you explain Why all this love is wasted on you Can I live with all that is you You say you love me silence I can't hear All I want is to be near you baby My heart my head my mind my soul My feelings over you My tears my touch remember all that I am to you My heart my mind my soul My feelings over you My tears my touch remember all that I am I'm looking for a reason to stay true Looking for our love Looking at me and looking at you And even if I could turn away and then I see that I'm falling in love again Some times I wanna give you up Some times I want to leave you alone Some times I want to run away And some times I want you to come back home Come home to me yeah yeah baby I know I know you'll be good for me Come home come home Yeah baby I'm right here baby Come home to me Yes I'm right here baby Yeah all I am to you I know you feel me baby Yeah yeah Come on come on Home to me

quarta-feira, 19 de março de 2008

Os meus amigos


Os meus amigos consideram-me uma pessoa reprimida. Acham que vivo em luta comigo própria tentando esconder quem sou. Os meus amigos sabem e eu confesso que a exposição me assusta, me atormenta. Detesto ficar sujeita ao julgamento dos outros e por isso é-me muito mais fácil assumir uma conduta "low profile", em que não sou nem boa nem má. Embora goste de me posicionar nesta zona de conforto, muitas vezes já fui a extremos. E não gosto. Não gosto porque posso ser injusta, pouco cautelosa e até ridícula! Os meus amigos sabem e têm razão: eu não gosto de chamar a atenção. O que os meus amigos não sabem é que o facto de me controlar sabe-me bem. Não sabem, que aquilo que sinto quando não cedo ao que todos cedem, é bom! Os meus amigos dizem que o faço apenas em função dos outros. Eu digo que o faço em função de mim. Os meus amigos não sabem ver que as grandes emoções não são para mim. Bastam-me aquelas às quais não consigo fugir. O que os meus amigos entendem por emoções eu entendo por perigos e colocar-me em risco não me excita. Os meus amigos não percebem que quando controlamos muito poucas coisas nas nossas vidas, o facto de as comandarmos de vez em quando é inspirador! Os meus amigos não sabem que simplesmente não desejo fazer as coisas que eles gostam. E que isto não é repressão. Os meus amigos não sabem que é não é defeito, é feitio. Os meus amigos não sabem que desejo cada vez mais um quarto branco com vista para o mar e o som das ondas ao fundo. Eu sei que é isto que me faz sentir viva, resguardada, calma, segura. O que os meus amigos não sabem, é que não tenho motivo para me reprimir agindo contra mim e em favor do que acreditam. Ainda assim, eu gosto muito dos meus amigos!

segunda-feira, 17 de março de 2008

Nervos no Cinema!

Caros meninos, o cinema é local onde as pessoas estão em silêncio. Se não conseguem suportar a ideia de fechar a matraca por duas horitas, sugiro que procurem um café, uma esplanada ou mesmo as escadas de acesso a um prédio para brincar! Ou então para a próxima vejam um filme para a vossa idade, ok?

P.S. Há coisa mais irritante que ir ao cinema e ter meia dúzia de pivetes que não se sabem comportar a conversar e a rir o filme inteiro? O filme era bonzinho... Pena ter perdido alguns diálogos que fazem toda a diferença!

domingo, 16 de março de 2008

Há noites assim: seja da caipirinha, do cenário ou simplesmente da disposição, ficamos a recordar velhos clássicos da música portuguesa. E não nos ficámos só pela recordação. Toca a cantar Anabela, Sara Tavares, Da Vinci, Dina, Dulce Pontes e outros que tais (P. obrigada por suportares esta voz de cana rachada)! Confesso que fiquei surpreendida com os conhecimentos musicais da Miss sobre as diferentes edições do Festival RTP da Canção e Festival Eurovisão da canção (sobretudo o de 92 que ela sabe até a música turca!). E eis que nos lembramos desta, da qual só sabíamos pronunciar meia dúzia de estranhos sons!

Depois de pormos toda a gente à procura deste arranjo musical sem par, eis que já tenho a letra, a música em mp3 e finalmente o vídeo. Não o consigo postar, por isso podem conferi-lo aqui:

http://br.youtube.com/watch?v=icZeXsNXfPs

P.S. Obrigada
Prima!

quinta-feira, 13 de março de 2008

Coração (des)apaixonado


Todos já nos apaixonámos pelo menos uma vez na vida. E todos reconhecemos os sintomas: insónias, falta de apetite, "borboletas" na barriga, sendo que o factor comum é um pensamento quase obsessivo em relação ao apaixonado. A Wikipedia define paixão como:

"A paixão é uma emoção de ampliação quase patológica do amor. O acometido de paixão perde a sua individualidade (...) a sua identidade e o seu poder de raciocínio".

E continua...


"Segundo recentes estudos de Donatella Marazziti (2007, Livro Natureza do Amor), a paixão se caracteriza, do ponto de vista biológico, por uma liberação contínua de alguns neurotransmissores como Dopamina e Noradrenalina. A Amígdala tem um papel central neste processo, pois é desta região que emana alguns dos sentimentos mais instintivos. Esta tempestade bioquímica está relacionada com um índice mais baixo de Serotonina do que em uma população normal, sendo semelhante ao nível deste neurotramissor nos portadores de Transtorno Obsessivo-Compulsivo, o que explicaria os pensamentos obsessivos da pessoa a qual se está apaixonado. Estes níveis bioquímicos explicam por que a pessoa tende a perder a razão, enquanto em estado de apaixonamento. Este mecanismo é semelhante ao de algumas drogas, como a cocaína, sendo necessário para a perpetuação da espécie, pela atração".

É simultaneamente maravilhoso e aterrador estar apaixonado. Vamos do céu ao inferno num segundo, experimentamos o medo, o ciume e o encatamento de forma exaustiva. As emoções são ampliadas e tudo se resume àquela pessoa. Feliz ou infelizmente não dura para sempre!


Para aqueles que adorariam ver-me apaixonada, condenada e subjugada ao Garanhão das Avenidas, lamento! Lamento desapontar-vos. Continuo a dormir, a comer e a minha cabeça ocupa-se de outros assuntos. Obrigada pelas palavras simpáticas mas fica para a próxima...

;)

quarta-feira, 12 de março de 2008

terça-feira, 11 de março de 2008

A Boneca Russa.

Bem-vindos ao mundo da Matryoshka!

Sempre achei as bonecas russas engraçadas. O seu ar tosco e artesanal traz-lhes um encanto especial. Há muitas e diferentes, cheias de côr e sempre com um sorriso. Atravessaram a Rússia e tornaram-se um ícone em todo o mundo. Mas as bonecas russas são bastante mais que isso. Têm mais mistérios e significados para além do seu corpo redondo de madeira, no qual cabe sempre mais uma.

Originalmente, as bonecas são compostas de sete réplicas cada vez menores que representam os Sete Deuses da Fortuna. Simbolizam a Família e a Fertilidade e diz a tradição que têm a capacidade de realizar os nossos desejos. São por isso conhecidas também como Bonecas da Sorte.

Lendas à parte, acredito que o significado destas bonecas se prende com a natureza humana. Ninguém tem apenas uma face. Temos muitas, tantas que nos estamos sempre a descobrir! Uma música nova, uma paisagem nova, uma pessoa nova e redescobrimo-nos outra vez. Somos assim. Como cada boneca, cada vez mais pequena e mais no interior de nós. Algumas pessoas conhecem-nos apenas a boneca maior. A mais visível. Outras conseguem chegar mais longe. Mas quantas nos conhecem o íntimo?

Aqui serei uns dias feliz, outros triste, entediada, esperançada. Serei apaixonada e enraivecida. Serei acima de tudo, eu!